.:Matheus com H│Blog: Agosto 2016

22 agosto 2016

Trêmulo


Eu realmente não sei o que há comigo. Isso não é nem um pouco necessário. Tenho certeza que vai passar e estou tentando jurar que hoje foi a última vez. Eu achei que aquilo ia passar, mas não passou. Provavelmente sou mesmo um idiota, um arrogante, orgulhoso ou imbecil. Será que está auto condenação é um açoite a mim mesmo? Quando foi que encomendei isso? Boa pergunta. Estou deixando no ar essas poucas palavras pra ver se alivia. Agora estou tão perdido que nem me lembro mais onde está meu anel. 

20 agosto 2016

Corda


É um pouco difícil às vezes, eu sei. É mais ou menos pela tardinha que começa. Vou ficando um pouco entediado, dali a pouco, meio angustiado. Começo a sentir meu coração um pouco estranho, como se ele não estivesse muito confortável ali. Talvez não esteja mesmo. Fico com o rosto meio incomodado, como se alguém estivesse com o dedo indicador bem no meio da minha testa. Meus olhos ficam carregados também, chorosos, como se quisessem extravasar mas não conseguissem. 
Que se foda, nem querer escrever mais eu quero. 
Fui dar uma volta pra ver ser isso passava, não funcionou muito, tanto que estou aqui agora, acabei de apagar as luzes e coloquei uma música bem no clima. Tenho que parar com isso. Umas horas que deveriam ser produtivas só servem pra fomentar meus momentos emo 2016. Isso não é nada bom, seria se fosse uma opção minha, algo voluntário, mas não. Seria bom se eu pudesse controlar. Voltou. Voltou aquela vontade de me submergir de novo. Esconder. Entrar dentro do meu guarda roupas e ficar lá, sem ninguém me achar. 
Narcóticos ou qualquer coisa assim talvez seriam uma boa fuga. Não. Não é. Não quero sair por aí sem controle como achando que tenho asas pra pular de prédios. Agora só quero ser pescado. Sair dessa lago frio e molhado. Alguém? 

18 agosto 2016

Abraça-me

Amar dói. Dói quando o ônibus começa a me levar metro a metro, quilômetro a quilômetro pra mais longe de você. Dói quando o relógio começa a girar sem parar e vai me apertando pouco a pouco no tempo. E quando o tempo começa a me apertar assim eu quero é ser apertado por você, mesmo que minhas costelas doam. Minha vontade é de olhar tudo de você com minha lupa, quero conhecer todos os seus detalhes, saber onde está tudo que você quer pra que eu possi ir lá e buscar, mesmo que seja no escuro do mundo. E agora estou desesperadamente olhando sua foto. Você acertou. Esses momentos são desconcertantes. Quantas vezes saí correndo só pra poder te ver? Você sabe exatamente como me fazer sorrir e quero muito poder fazer o mesmo com você. Às vezes odeio o mundo por que ele é quem faz com que nos percamos na multidão, o mesmo mundo que você deseja salvar, peço desculpas por isso, mas não me vejo salvando mais nada além de você, talvez nem a mim mesmo.

14 agosto 2016

Faces


Estou um pouco anédrico agora. Meio cabisbaixo. Falta pouco pra chorar. Meu coração bate num ritmo meio estranho. Parece um pouco que está meio pesado, meio carregado o seu ritmo. Não consigo mentalizar mais nada além desse sentimento negativo. Ele é um sentimento meio sem razão, só está aqui. Uma vontade de cavar um buraco e ficar lá um pouco. Algumas horas ou até dias. Pra onde posso fugir? Estou fazendo uma coisa aqui, uma escrita técnica, digamos. Eu gosto. Mas fico escutando umas músicas e acho que as batidas não colaboram muito. Me ajuda. Dizem que escrever ajuda a passar, mas às vezes acho que só piora. Estou ficando meio fraturado. Estou tentando gritar mas não sai som algum. Não consigo formar nenhuma superfície plana ou paralela que reflita luz. Estou bastante negativo, nem raio ordinário e nem extraordinário. Está tudo ficando dentro. Está tudo escurecendo. Está? Me ajuda. No exato instante dessa palavra, esta, estou tremendo e não sei o que fazer. Talvez se eu expulsar algumas lágrimas no banheiro melhore. Vou tentar. Talvez eu ao menos consiga ser subédrico.

Meus passos

Eu até tento as vezes, mas é um pouco difícil. Cada passo que dou nessas ruas movimentadas é um letra do seu nome que ecoa pela minha cabeça. O mundo é cheio e repleto de sons e ruídos, mas isso se torna tão desprezível perto de você. Eu só fico andando por ali e por aqui, fico tentando elaborar meneiras, modos e teorias pra poder encaixar nossas existências perfeitamente, como um quebra-cabeças de duas peças. Às vezes eu acho que estou ficando maluco, isso é só um reflexo da minha vontade louca de te abraçar, sentir de novo o meu calor se misturando ao seu. Quando lembro que talvez você queira me apertar em seus braços, eu fico prestes a martelar uma parede com minha cabeça. Esse é o resultado da não realização desse desejo agora.
Enquanto passo pela estrada, vou analisando cada canto e visualizando o melhor lugar para eu construir um castel para nós dois. Vou dar um jeito para que esse lugar seja blindado às influências do tempo e do espaço, assim não terei que escutar o barulho estressante daquele despertador. Trim! Trim! Trim! Esse é o sinal da hora de ir, da hora de ter que guardar nos nossos bolsos esse amor.
A minha cabeça, algumas vezes, se desliga para umas coisas e elas somem, mas me impressiona a forma de como quando se trata de você, ela não se comporta assim, no máximo, ela pode ficar em estado parcialmente vegetativo, mas nesse caso, depois de um tempo ocorre o mesmo que quando entramos de uma vez em um local escuro, demora um pouco até os olhos se acostumarem. Com você é assim, de primeira, talvez eu não preste muito atenção, mas vai clareando.
Acho que inconscientemente fui pegando uns pedaços de mim e ligando com uma linha em alguma memória relacionada a você, aí costumo lembrar de voce cada vez que uma dessas linhas se mexe. Fica impossível de não ter vontade imediata de sentir o cheiro da sua respiração. Eu me sinto o rapazinho mais sortudo do mundo de às vezes ter esse privilégio. Fiquei pensando se isso seria uma conspiração do.universo ao meu favor. Talvez seja.

05 agosto 2016

Segue


Eu estou tentando entender a razão de eu ficar pensando nos detalhes de você. Assusta-me um pouco você dizer que tudo enjoa um dia. Até hoje não me enjoei de açaí. Eu fico olhando a foto do seus pés e fico indescritivelmente encantado com a maneira que seu segundo dedo fica um pouco abaixado, como se estivesse com vergonha! (usei exclamação para expressar que estou achando isso engraçado), Talvez esse apreço por algumas coisas que para outros seria imperceptível revela a razão de eu me sentir tão entediado quando não se trata de você. Mesmo não te agradando, eu acho lindo quando sua boca caminha para um lado involuntariamente. Assim, eu poderia ficar ali o dia inteiro só olhando você sorrir e falar enquanto seus lábios fazem esses movimentos que não me são nem um pouco estranhos. 
Fico me perguntando com que fita métrica eu posso medir o que sinto por você. Em se tratando de milímetros, ou até centímetros, eu demoraria muito pra chegar no algarismo duvidoso. Talvez nunca chegaria. O que tem dimensão de centímetros ou milímetros? Dentes. Eu gosto de como seus dois dentes da frente tem suas extremidades centrais apontando para dentro de sua boca. Não sei o motivo, mas observar esse detalhe me faz lembrar das contas de marfim em formato de rosa da Ana Z, sei lá, acho que seus dentes são tão valiosos quanto as contas para ela. As contas que a fizeram entrar num poço fundo e escuro e a jogaram em uma aventura. Seria eu ousado o bastante pra me jogar em algo assim?
Aquele dia fiquei olhado você caminhar com um livro na mão até sumir de vista. 


02 agosto 2016

Sereno e alguns milhões de vezes


Agora é hora de descansar. Comecei a pensar nisso quando empurrei a porta da sala. Fui à cozinha e voltei. Acho que vou fazer tapioca. Nem era disso que eu iria falar... Era sobre uma certa vontade de ter meus pés formigando um milhão de vezes só pra que eu possa ver você descansar, sem nenhum fardo, isso faz com que eu sinta minha alma acariciada pelo meu cobertor divino. Eu poderia bagunçar e arrumar seus cabelos dois milhões de vezes só pra sentir sua respiração fluir da forma mais serena inventada por deus, me sinto como se afundasse num precipício de plumas só de poder olhar sua expressão de paz, isso é bom. A paz é boa e você me deixa em paz. Se eu pudesse realizar um desejo agora, eu pediria pra poder te olhar caminhar por um campo de flores de ametista e depois descansar na minha perna, como se ela fosse um travesseiro, enquanto eu acaricio seu rosto. 
O olfato sempre foi uma sentido bastante expressivo na minha vida. Sou inexplicavelmente apaixonado pelos aromas que você exala. Não fumar pode ser um pouco difícil, mas não sou nenhum louco, fico daquele jeito só alguns instantes, na verdade, nem estou mais com vontade. Mas não poder sentir seu cheiro quando sinto aquela saudade da sua presença é ruim, aí olho um retrato seu e o admiro por várias instantes. Seu sorriso, seus dentes, seu nariz, sua boca, seus cabelos, seu olhar, tudo o que me deixa inquieto. Sua assimetria é tão harmoniosa, tão aconchegante. Ela é bela. É como um cristal de quartzo que tenho aqui em casa. Embora os lados não sejam iguais, é um cristal lindo de se olhar, é de uma natureza perfeita, agora sempre que eu olhar pra ele, terei seu nome ressonando na minha cabeça, aí terei aquela vontade de sentir seu cheiro, de cheirar sua alma e guardar um pouco dela comigo, em meus pulmões. Vou ter vontade de olhar pra você, ver sua serenidade. Sentir que, enquanto você descansa de modo sereno, a paz vem até em mim, afaga minha alma. Vou desejar isso alguns milhões de vezes.